BrandMyMail – Português desenvolve plataforma inovadora de conteúdos para email

BrandMyMail é uma plataforma tecnológica que permite aos utilizadores de email, empresas ou indivíduos, construírem uma presença de marca através da integração de conteúdos das redes sociais nos seus emails. Facebook, Twitter, YouTube ou Flickr são algumas das fontes que podem ser utilizadas.

 Esta nova ferramenta de comunicação liga assim o tradicional mas incontornável email com as redes sociais de forma simples, objetiva e não intrusiva.

 A inovação já mereceu destaque em prestigiadas revistas internacionais:

 Social media branded emails in the way BrandMyMail is doing it seems like an obvious business opportunity.”

Alex Knapp, Forbes.com

It’s somewhat incredible how relatively unchanged email has been over the years… BrandMyMail is launching a new web-based platform for customizing your email messages using social media…”

Sarah Perez, TechCrunch.com

 

Universidade do Minho cria almofadas e colchões que previnem úlceras

Fonte: Agência Lusa

Um investigador da Universidade do Minho (UM) coordena um projeto que visa a criação de colchões, almofadas e coberturas “inteligentes” para prevenir o aparecimento de úlceras em pessoas com limitações motoras graves.

A ideia é que aqueles colchões, almofadas e coberturas sejam capazes de monitorizar a pressão, temperatura e humidade exercidas em zonas do corpo que estão permanentemente em contacto com superfícies de suporte. “O controlo destes parâmetros poderá lançar, quando necessário, um alerta que permitirá ao utilizador movimentar-se, sozinho ou com a ajuda de terceiros, evitando o desenvolvimento de uma ferida na pele”, explica Miguel Carvalho, coordenador do projeto e professor do Departamento de Engenharia Têxtil da UM.

A gama de produtos é destinada essencialmente aos indivíduos com limitações motoras graves que condicionam a sua deslocação, nomeadamente os idosos e pacientes acamados, os doentes sob efeitos de sedativos ou anestesia durante cirurgias prolongadas e pós-operatório, ou, ainda, aqueles que se deslocam em cadeiras de rodas.

“Na maioria das situações, este público tem alguma dificuldade em sentir determinadas regiões do corpo que se encontram em contacto com superfícies ou, então, não consegue mudar de posição regularmente, de forma autónoma, como o faria uma pessoa saudável de forma inconsciente”, refere Miguel Carvalho. Acrescenta que estas são circunstâncias favoráveis ao desenvolvimento de úlceras de pressão (UP), ou seja, lesões cutâneas que se produzem em consequência de uma falta de irrigação sanguínea ou de uma irritação da pele.

“Os gastos médios dedicados ao tratamento desta patologia são de seis mil euros por cada úlcera. Na União Europeia e nos EUA, a prevenção e o tratamento têm um custo anual superior a 36 mil milhões de euros”, diz Miguel Carvalho. Sublinha que é “cada vez mais importante” apostar nesta área de investigação, uma vez que a população idosa tende a aumentar, “o que terá um impacto económico crescente a médio e longo prazo”.

Biodevices: Quem ainda não conhece a Vital Jacket?

 

Fonte: DN

A Biodevices é uma inovadora empresa nacional que nasceu em Aveiro e comercializa um produto que veio revolucionar a vida de quem tem problemas cardíacos. A ideia é muito simples e partiu de um grupo de investigação universitário: criar um sistema de eletrocardiograma em ambulatório fácil de usar no dia a dia. O resultado foi a Vital Jacket, uma T-shirt muito confortável e adaptável a qualquer situação do quotidiano. Este produto comporta o sistema Holter, ou seja, permite o registo contínuo do ritmo e da frequência cardíaca, tal como num eletrocardiograma, mas durante o período de 24 horas.

Em 2007, a Vital Jacket chegou pela primeira vez às bancas, através da empresa Biodevices e desde então já foi aperfeiçoada, quer ao nível do visual, quer das funções disponíveis.

Para quem não está por dentro deste assunto, a maior inovação deste produto é a possibilidade de o médico de família ou o cardiologista poder verificar o esforço cardíaco de um doente nas suas atividades diárias, algo que até aqui não era possível.

“Como esta T-shirt é muito confortável, as pessoas conseguem fazer uma vida completamente normal e, assim, o cardiologista consegue ter uma avaliação exata do esforço cardíaco em contexto de vida real”, esclareceu Gabriela Bastos, administradora da Biodevices.

Na parte lateral da T-shirt há um pequeno aparelho, do tamanho de uma caixa de fósforos, com 50 gramas, que regista o ritmo cardíaco num cartão de memória SD. Além disso, esta caixa está equipada como um transmissor Bluetooth que permite ao utilizador ver em tempo real o seu batimento cardíaco e monitorizar, por exemplo, uma sessão de treino.

“Desde o início, que o objetivo deste projeto era exatamente pegar na tecnologia e transformá-la em roupa prática”, contou Luís Meireles, responsável pelo departamento comercial da Biodevices.

Atualmente, a Biodevices exporta, por ano, milhares de T-shirts para todo o mundo e mesmo em Portugal são vendidas muitas dezenas. “Aliás, os hospitais têm muito interesse em trabalhar connosco, mas como todos sabemos existe incapacidade financeira”, explicou ao DN Gabriela Bastos.

A aceitação internacional tem sido a melhor possível e os dois responsáveis estão de acordo num ponto: “Só os portugueses é que continuam a discriminar a tecnologia Made in Portugal. Todos os outros já sabem a nossa qualidade e do que somos capazes.”

 

Waydip – Gerar energia através do movimento de pessoas e veículos

A Waydip, uma empresa de base tecnológica sediada na Covilhã (Parkurbis – Parque de Ciência e tecnologia da Covilhã), fundada por dois jovens mestres em Engenharia Eletromecânica pela Universidade da Beira Interior (Francisco Duarte e Filipe Casimiro), que se dedica ao desenvolvimento do projeto Waynergy, um sistema de aplicação no pavimento para gerar energia elétrica a partir do movimento de pessoas e veículos sobre a sua superfície, foi considerada pela Kauffman Foundation, uma das mais reputadas fundações para o empreendedorismo a nível mundial, uma lista com as 50 startups mais promissoras a nível mundial.

Esta empresa surgiu no seguimento da vitória no Prémio Inovação EDP Richard Branson 2010 por parte do projeto Waynergy e tem já um ano de existência, tendo já em 2011 vencido o Prémio Nacional de Inovação Ambiental com o seu primeiro produto, Waynergy People: consiste num pavimento para aplicação em locais com elevada movimentação de pessoas, que permite capturar a energia libertada pelas pessoas para o pavimento e transformá-la em energia elétrica, contribuindo assim para a redução das despesas energéticas do local.

Francisco Duarte, um dos responsáveis da empresa, refere que “A Waydip, com o projeto Waynergy, mostra que a ciência e tecnologia nacional não fica atrás dos outros países, podendo ser tão competitiva e inovadora como noutros locais de maior reputação”

Para este ano de 2012 a empresa está a preparar o lançamento de novos produtos, mais orientados para as estradas, onde a quantidade de energia libertada pelos veículos é maior, podendo assim gerar mais energia elétrica comparativamente às aplicações para pessoas.

Primeiro shopping virtual é… português!

 

Fonte: Diário Económico

Brandsbreeze, o primeiro shopping virtual do mundo abriu, em finais de Novembro. “Este é um espaço online, onde as marcas estão presentes de forma permanente e mantendo a sua identidade e valores, visto serem replicadas para o online em 3D, baseando-se num loja física”, explica Miguel Diniz, um dos responsáveis por este projecto, integralmente português.

Na prática, basta aceder ao site (www.brandsbreeze.com) e entrar nas lojas que quiser, sem o mínimo esforço. No limite, três dias depois entregam-lhe as compras em casa. Mas isso já se pode fazer nos sites das próprias marcas, dirão os mais cépticos. “Sim, mas numa loja monomarca estamos limitados somente ao tipo de produto que a marca vende e aos produtos dessa marca, quando vamos para um espaço comercial com uma oferta vasta, podemos comprar, por exemplo, o chamado ‘look’ total, desde o chapéu, passando pelo têxtil aos sapatos e aos acessórios e ainda encontramos produtos e serviços como óptica, relojoaria, arte, decoração, cosmética, perfumaria”, explica Miguel Diniz. Ou seja, é igual aos centros comerciais físicos: num único espaço encontra toda a oferta que procura.

Para já, “estão a funcionar para o mercado ibérico 12 lojas, e estão previstas abrir durante este mês mais oito lojas”, garante Miguel Diniz. E entre as lojas que vão abrir este mês estão a Parfois, Boticário, Companhia das Quintas (Vinhos) e Everything is New (bilheteira). “O objectivo até final da estação é completar os dois primeiros pisos do shopping, ou seja 24 lojas”, diz o responsável, que continua: “e começar a próxima estação, Primavera-Verão 2012, com três pisos completos ou seja 36 lojas. Aliás, temos cerca de 15 lojas adjudicadas para a próxima estação e várias marcas que estão a ser fechadas em termos de proposta.”

Algumas destas propostas são de marcas como Ipanema, Melissa, Lanidor, Quebramar, Globe, LA Kids, Casa Batalha ou Nike, que vão estar disponíveis já a partir da próxima estação. Mas, a ideia é também entrar em segmentos que não moda, como a electrónica, livros e supermercado. A ideia é que seja possível fazer todas as compras (mesmo todas!) sem ter de sair de casa.

E sem ter de se preocupar a logística para tudo isto funcionar na perfeição. Afinal, os gestores que estão à frente do projecto Brandsbreeze são os mesmos que estão responsáveis pelo tão afamado Clube Fashion, ‘website’ de oportunidades ‘lifestyle’, que é já o maior sítio de ‘e-commerce’ português com mais de 1,5 milhões de membros inscritos. Na sequência do Clube Fashion e da sua relação de seis anos com muitas das principais marcas de moda, e à medida que a procura aumentou, surgiu a ideia de desenvolver “um portal onde fosse possível inserir essas marcas, para que o investimento em IT e marketing online fosse compensatório e permitisse uma rentabilidade elevada”, explica Miguel Diniz.

Empresa portuguesa é líder mundial na produção de caiaques

 

A M.A.R. Kayaks fundada em 1978, fabricante dos barcos Nelo é uma empresa Portuguesa de produção semi-artesanal de produtos compósitos de alta qualidade para utilização na área desportiva, sobretudo na canoagem de alta competição.

O ano de 2004 constitui um marco com a escolha pelo Comité Olímpico para ser fornecedor oficial dos Jogos de Atenas. Seguiram-se os Jogos de Pequim, e este ano, pela terceira vez consecutiva, a marca Nelo volta a ser a fornecedora oficial dos Jogos Olímpicos.

Líder no mercado mundial de caiaques, a posição da M.A.R. Kayaks não deixa dúvidas: cerca de 50 por cento dos grandes atletas e dos praticantes em geral utilizam barcos da marca Nelo. O restante é distribuído pela Plastex, um grande construtor polaco com 35 por cento, e o restante por marcas dos EUA, Dinamarca, Alemanha e Canadá.