Como a Inteligência Artificial pode mudar o mundo das compras

shelfai

No Encontro Português de Inteligência Artificial (EPIA), que decorreu no Porto, foram apresentadas várias ideias. E vários projetos. A Shelf.AI foi um deles, mais uma ideia nacional que se define como “uma plataforma inovadora de vendas e comunicação”, que pretende facilitar e tornar mais rápida a relação entre os retalhistas online e os consumidores.

Para estes últimos, fazer compras torna-se ainda mais fácil, à distância de apenas um clique; a inteligência artificial torna possível, para quem vende, conhecer os clientes, os seus hábitos, as suas preferências (seja de produtos ou marcas) e as suas necessidades, e com estes manter uma linha de comunicação e gestão das suas despensas, através das aplicações Amazon Alexa, Google, Home, Microsoft Cortana ou Facebook Messenger. Ou seja, permite que os retalhistas online melhorem as suas vendas, personalizando a experiência de compra dos clientes. E aumentando os lucros.

Selecionada, de entre centenas, para um financiamento na última ronda do programa Horizonte 2020, da Comissão Europeia, a Shelf.AI foi também escolhida para o Global Startup Program da Universidade do Texas, Estados Unidos. Trata-se de um programa de aceleração, que tem como objetivo ajudar as empresas portuguesas a aceder ao mercado norte-americano e ao capital de risco nele existente. Tratou-se de uma semana de orientação e trabalho, que culminou com a criação de uma filial por terras do Tio Sam.

Fonte: Shelf.AI

Anúncios

Ivaware, porque nem todos temos que ser especialistas em contabilidade

ivaware

É, como descreve no site onde se apresenta, “uma aplicação móvel para trabalhadores independentes com regime de IVA simplificado”. E é no Observador, para onde deu uma entrevista, que o seu criador explica que a aplicação Ivaware surgiu de uma necessidade do próprio que, enquanto trabalhador independente, tinha que lidar com contas e mais contas, papéis e formulários, prazos e afins, associados ao pagamento do IVA.

Sem contabilidade organizada, como de resto muitos dos profissionais liberais que trabalham em regime de freelancer, o controlo das despesas e das receitas, assim como do valor do imposto, era feito numa folha de papel, muitas vezes em cima do joelho e dos prazos, que não se compadecem com as dificuldades de quem, não sendo especialista em contabilidade, tem de passar a saber tudo sobre impostos para poder cumprir as suas obrigações.

Foi este o contexto para a criação de uma aplicação, por enquanto disponível apenas para Android, mas que em breve espera chegar ao iOS, onde se podem inserir todas as despesas e saber qual o valor da dedução do IVA correspondente. Entre as suas funcionalidades contam-se a separação das despesas em três categorias, o acesso rápido e fácil a resumos e gráficos, a proteção dos dados armazenados e a possibilidade de exportação dos mesmos para um ficheiro EXCEL, em caso de necessidade. Disponível gratuitamente na versão Business, a ‘app’ é paga na versão Premium (€1,99).

Fontes: Ivaware e Observador

Didimo vence concurso internacional Women Startup Challenge

A Didimo, startup liderada por Verónica Orvalho, ficou em primeiro lugar na competição internacional Women Startup Challenge VR and AI.

Esta startup, nascida na Universidade do Porto,  desenvolveu uma tecnologia que permite criar personagens virtuais 3D (avatares) a partir de uma fotografia tirada com um telemóvel. Esta tecnologia permite a cada pessoa ter a sua identidade virtual e pode ser usada no cinema, jogos de vídeo, mas também na medicina, desporto ou retalho.

O concurso, promovido pela organização norte-americana Women Who Tech, com a parceria de Craig Newmark, fundador da Craiglist (rede de comunidades online que disponibiliza classificados e fóruns locais para empregos, vendas, relações, serviços), teve como alvo projetos disruptivos desenvolvidos por mulheres, nas áreas da realidade virtual e inteligência artificial.

A Didimo foi única finalista portuguesa na competição e voltou para casa com um prémio no valor de 50 mil dólares (cerca de 47 mil euros).

wwt_challenge

Fonte: Observador

O primeiro acelerador de startups de nanotecnologia em Portugal

Startup Nano, é o nome deste primeiro acelerador de startups de nanotecnologia, foi pensado em conjunto pelo Laboratório Ibérico de Nanotecnologia (INL) e o Centro de Nanotecnologia e Materiais Técnicos, Funcionais e Inteligentes (CeNTI), com o apoio da Startup Braga e a Universidade do Minho. Arrancou com quatro startups – Easy Biopsy, Go Clean, Best Health and Graphenest.

Estas quatro startups  recebem desde a ideia até à concretização do negócio para o mercado global, acesso a laboratórios e equipas especializadas em nanotecnologia e é no INL onde se fixam: uma infraestrutura internacional singular em nanotecnologia construída em Braga, pelos Governos de Portugal e Espanha.

Este primeiro acelerador, focado em nanotecnologia, consiste numa primeira fase – Launchpad –  que estará reservada à apresentação das ideias, para validação quer da tecnologia, quer do potencial de mercado. E só depois as equipas entram no programa de aceleração para desenvolver o produto e entrar no mercado. Durante quatro meses intensivos, as startups usam os apoios do programa para desenvolver o produtos e o negócio, com o apoio de mentores e especialistas nacionais e internacionais, antes de se juntarem a programas de imersão nos EUA e Reino Unido.

startup_nano

Fonte: Jornal Económico

Tecnologia portuguesa chega ao Peru

A IT PEERS, empresa portuguesa do setor das Tecnologias de Informação, entrou recentemente no mercado do Peru através de uma associação comercial com uma das empresas mais importantes e mais reconhecidas do mercado peruano.

A empresa está presente no mercado da América Latina desde 2011 e o mercado do Peru desde cedo se revelou atrativo para a empresa. “O Peru é o mercado da América Latina que mais tem crescido no setor da tecnologia e isso para nós representa uma enorme oportunidade. Após estudarmos o setor, percebemos que os nossos produtos tinham lugar na estrutura do mercado da tecnologia peruano e começamos a trabalhar no sentido de conseguir encontrar um parceiro capaz de nos ajudar”, refere Jorge Santos Silva, Latin America Region Manager da IT PEERS.

A IT PEERS firmou uma associação comercial com a empresa Polysistemas, uma empresa com mais de 40 anos no mercado. É especializada em oferecer soluções tecnológicas inovadoras e além de ser uma empresa sólida e reconhecida no mercado nacional e internacional, é também líder de mercado. Alvaro Zelasco, Consultor Principal ECM/BPM da Polysistemas, está satisfeito com a parceria estabelecida. “Vemos a IT PEERS como um aliado estratégico importante”, refere.

Apresenta-se no mercado peruano com o produto Multipeers, uma ferramenta de gestão que permite analisar o negócio em tempo real através do Desktop e de dispositivos móveis, alertando o utilizador sempre que acontece algo que requer a sua atenção. Além de assegurar que a informação atualizada está sempre disponível, apresenta também gráficos simples e apelativos, de modo a que se possa analisar a informação rapidamente e tomar decisões que contribuam para o sucesso do negócio.

“Estamos muito contentes com a incorporação do Multipeers no nosso portefólio pois com esta solução de Business Activity Monitoring complementamos a nossa oferta para a gestão de documentos digitais, conteúdos e automatização de processos”, acrescenta Alvaro Zelasco.

Para a IT PEERS “a Polysistemas é o sócio ideal para ajudar a empresa a introduzir os produtos no mercado do Peru”. Para 2017, o plano da empresa portuguesa é solidificar a sua presença no mercado da América Latina.

it-peers

Conheça a Trigger.Systems

A Trigger.Systems é uma startup sediada no Fundão que se dedica à criação de diversas soluções baseadas em IoT (Internet of Things) para vários sistemas aplicados à agricultura e ao ambiente. Foi fundada em 2016, pelo atual CEO da empresa, Francisco Manso, Sara Gonçalves (COO) e Márcio Martins (CTO).

A plataforma Trigger.Systems permite aceder, acionar, ler e programar remotamente e em tempo real todo o tipo de dispositivos. A Trigger está focada no desenvolvimento e aplicação de modelos de inteligência que permitem controlar sistemas automaticamente. No caso da rega, esta pode ser decidida diariamente pelo sistema de forma eficiente e automática. Trata-se de uma plataforma de gestão full-stack que facilita tomada de decisão em sistemas de rega, bombagem, lagos, fertilização, pessoal e equipamentos.

Este sistema muito simples e poderoso permite que, remotamente, consumidores e empresas acabem com o desperdício de milhares de litros de água, acedendo e gerindo, em tempo real, diversos tipos de dispositivos. Desta forma, contribuem para a sustentabilidade do planeta, resultando, simultaneamente, numa poupança avultada na conta da água, que ronda os 45%. Atualmente, com perto de 2000 dispositivos controlados pela plataforma, a startup tem como principal foco a otimização do consumo de água e de energia de uma forma eficiente e sustentável.

A solução também aposta na eficiência energética de edifícios, controlo de fontes e iluminação pública, leitura de contadores, instalações artísticas integradas e outros. Esta solução está totalmente disponível na Cloud (WEB) e adaptada para smartphones e tablets.

O contrato formalizado recentemente entre a Trigger.Systems e a Portugal Ventures, a maior Sociedade de Capital de Risco em Portugal, vai permitir um elevado aumento de capital e expandir o negócio para outros países. A política da Portugal Ventures passa pelo investimento em projetos inovadores de base científica e tecnológica com uma qualidade excecional e por isso, para a Trigger.Systems, trata-se do reconhecimento público da qualidade e importância dos softwares desenvolvidos até agora, apoiando assim a melhoria e continuação do desenvolvimento de novos sistemas de forma constante.

triggersystems

ASSISTER: o software que promete acabar com as derrapagens nos prazos de entrega da obra

A empreitada dentro de um computador, tablet ou smartphone, onde todos os intervenientes podem interagir, conhecer as falhas detectadas ao longo da obra e acompanhar o processo de resolução. A inovação chama-se ASSISTER e chegou ao sector português da Construção pelas mãos da SparkleIT. A empresa acaba de lançar no mercado o software – já o exporta para França –  que permite a gestão dos incidentes de uma empreitada. Uma solução que possibilita a aceleração do processo de passagem de informação e clarifica os dados transmitidos entre todos os intervenientes na obra, desde o promotor, passando pelas empresas executantes, subempreiteiros e o cliente. A empreitada passa, assim, a ser, toda ela, controlada online, encurtando tempos de resposta à resolução de problemas, ajudando a reduzir os prazos para a entrega da obra.

Segundo o director-geral da SparkleIT, Pedro Vaz Alves, “o ASSISTER nasceu  de uma necessidade detectada na Construção, fruto do know-how que a empresa tem relativamente ao sector”, conhecendo bem as suas necessidades e dificuldades.

As dificuldades mais comuns – incidentes em obra, problemas de comunicação e atrasos na execução – encontram resposta através do ASSISTER, que é configurável para responder às necessidades de cada empresa em particular.

Um software que gera ganhos para todos os intervenientes: o cliente vê o seu problema rapidamente resolvido, o promotor consegue dar resposta rápida ao incidente  detectado e controlar o tempo em que é resolvido, as empresas conseguem planear com antecipação e gerir com maior rapidez o seu dia de trabalho.

Trata-se de uma solução sem papel que pode ser utilizada on e offline, mesmo em obras e zonas do planeta onde não há rede de internet.

Maior velocidade e garantia de segurança, diminuição nos prazos e custos na resolução de incidentes na obra é a promessa do ASSISTER, uma plataforma que promete revolucionar o sector da Construção.

sit