Startup portuguesa compra concorrente

kide

Kide, a startup portuguesa que desenvolveu uma plataforma de comércio online de moda para criança, comprou a concorrente Bon Mignon, dando início a uma “fase de crescimento e de entrada com mais força no mercado em Portugal”.

Esta startup reúne produtos exclusivos de marcas de moda infantil mais pequenas e independentes , nacionais e internacionais, estando disponível em app (para iPhone e Android) e web.

Com a compra da principal concorrente em Portugal, a Kide ficou com toda a operação da Bon Mignon, conseguindo mais 12 marcas para o portfólio, assim como toda a base de dados de clientes e utilizadores.

A Kide nasceu em Braga, em 2015, pelas mãos de Nuno Pinto. Foi pelas necessidades que tinha como pai juntamente com a ideia de modelo de negócio da Farfetch fez nascer e crescer esta startup, com o intuito de agregar marcas exclusivas e pequenas.

 

Minty Square garante investimento de 1 milhão de euros

mintysquareA Minty Square, uma plataforma de e-commerce que tem como objetivo dar visibilidade a criadores conceituados e a novos talentos na área do design, com especial destaque no setor da moda, calçado e acessórios, acaba de garantir um investimento de 1 milhão de euros por parte de uma empresa líder mundial em publicidade online.

Fundada em Fevereiro de 2015 por Ana Cravo e João Figueiredo, a plataforma nasceu de um investimento inicial resultante de capitais próprios e de profunda dedicação ao projeto, contando com o apoio do IAPMEI – Passaporte para o empreendedorismo. Com este aumento de capital, a plataforma de comércio eletrónico de moda de autor tenciona reforçar a equipa e consolidar o seu posicionamento no mercado português.

A Minty Square irá também apostar na internacionalização, encontrando-se já a preparar estratégias para abrir portas a novos mercados como é o caso de Espanha, Polónia e Alemanha. Mais tarde, a aposta passará para outras geografias como Estados Unidos, Austrália, China e outros países asiáticos.

“Este investimento vai servir para dar impulso à internacionalização, um dos nossos principais focos. Estamos a trabalhar em campanhas e ações de marketing que têm como objetivo a entrada em novos mercados. Parte do investimento será direcionado para o reforço da nossa equipa, nas áreas de IT, marketing e customer care”, explica o cofundador João Figueiredo.

A Minty Square pretende continuar a investir na descoberta e promoção de criadores de moda e marcas, tendo como objetivo divulgar e comercializar a moda de autor. A seleção de marcas e produtos a constar nesta plataforma e-commerce é feita de forma criteriosa para, assim, providenciar uma oferta com personalidade e exclusividade.

Atualmente, a plataforma conta com as coleções de mais de 40 designers, entre os quais Nobrand, Daniela Barros, Baguera, Luis Carvalho, Katty Xiomara e Gracedition. Minty Square é assim a nova “praça de criadores” que promove num único espaço online as mais recentes tendências apresentadas em passerelle. A este coletivo irão juntar-se novos nomes, num conceito que pretende catapultar a moda a um nível global.

“Queremos encurtar a distância entre designers e compradores que procuram a exclusividade para expressar a sua individualidade. O conceito Minty Square vai muito além de uma simples loja online, atuando como ponto de convergência para criativos, apostando na sua projeção à escala global e uma referência para os amantes da moda”, conclui a cofundadora Ana Cravo.

ms

Chic-by-choice, a melhor startup de moda na The Europas

Na terça-feira, 14 de junho, decorreu a “The Europas Conference & Awards” onde a Chic-by-Choice, startup portuguesa, foi considerada a melhor startup de moda pela The Europas, na mesma categoria a Farfetch também estava nomeada, empresa esta que tinha já vencido este prémio em 2014.

Com cerca de dois anos no mercado, a Chic-by-Choice é uma plataforma que permite o aluguer de vestidos de luxo e conta com criações de dezenas de designers.

awardsbanner2.png

Fonte: negócios.pt

Calças de ganga tecnológicas? Uma evolução do têxtil?

Não vamos começar a vestir tecnologia, mas sim adaptar a tecnologia ao que vestimos. Confuso? Miguel Carvalho, professor de Engenharia Têxtil na Universidade do Minho, pensou em criar funcionalidade, e foi assim que surgiu a ideia de adaptar a tecnologia ao vestuário e posteriormente a um produto, concebido no MIT (Massachusetts Institute of Technology).

Desde 25 de novembro que se pode contribuir para esta reinvenção das calças de ganga no Kickstarter, a marca FYT Jeans tenciona conquistar , no primeiro mês, um mínimo de 30 mil euros para financiar o arranque da produção destinada à Europa e aos EUA.

O projeto FYT Jeans surge a partir do estudo do comportamento das pessoas. Nos dias de hoje seria de estranhar que fossem as pessoas a adaptar-se ao que vestem e não o inverso.

Em 2011, quando Miguel Carvalho se tornou professor convidado no MIT, nos EUA, conheceu Elazer Edelman, médico cardiologista, diretor de Centro de Engenharia Biomédica do MIT e diretor do Centro de Ciências da Saúde e Tecnologia da Harvard Medical School. Juntos, passaram os anos seguintes nos laboratórios a estudar engenharia têxtil e anatomia. Usaram scanners 3D, imagens termográficas e sensores termodinâmicos para medir tensão, pressão e temperatura com diferentes posições do corpo. A partir desta informação, desenvolveram umas calças de ganga que reduzem até 90% a compressão e minimizam a concentração localizada de temperatura e pressão. Mais informações no vídeo aqui.

Após vários protótipos, na busca da otimização de materiais e do design, foram já registadas patentes para o design final dos FYT Jeans, com modelos para homem e mulher, na Europa e nos EUA.

Apesar da startup estar sediada em Cambridge, a produção será feita em Portugal.

Fonte: pplware SAPO

Zippy chega ao Equador

Post 2A Zippy, marca portuguesa de roupa para crianças, vai abrir no Equador até fim do ano. A empresa do Grupo Sonae abre portas em Guayaquil, a maior cidade do país, depois de já marcar presença em países como Venezuela, Chile, República Dominicana e St. Maarten. O Equador tem-se destacado nos últimos anos como uma das economias mais dinâmicas da América Latina, apresentando taxas de crescimento do PIB superiores a 4% por ano, numa tendência que se deverá manter nos próximos  anos, de acordo com as estimativas do Banco Mundial. Com mais de 15,7 milhões de habitantes, apresenta uma população jovem numerosa, nomeadamente na faixa etária servida pela Zippy: 28,5% têm entre 0 e 14 anos.

Londres conquista Nova Iorque

A Fly London, marca portuguesa de sucesso internacional, vai estender a sua rede a Nova Iorque.

Post 7Segundo avançou Amílcar Correia ao Diário Económico, a nova loja da Fly London ficará instalada num edifício histórico, com mais de 200 anos, e irá comercializar todo o conceito da marca: calçado, acessórios e vestuário. O modelo de loja será idêntico ao dos espaços que já existem na Europa, acrescentou o mesmo responsável. A Fly London tem, neste momento, lojas abertas em Portugal (três), Reino Unido (duas), Irlanda (uma) e Dinamarca (uma).

Empresa portuguesa desenvolve deteção de fadiga no condutor

Fonte: Lusomotores

A empresa de têxteis para automóveis Borgstena vai liderar um projeto europeu que tem o objetivo de desenvolver sensores para o assento e o cinto dos veículos que detetem a fadiga do condutor.

O projeto liderado pela empresa de Nelas foi denominado Harken e conta com o apoio da União Europeia e está orçado em 1,36 milhões de euros. Os sensores serão instalados no assento e no cinto de segurança do condutor e emitirão alertas sonoros em caso de deteção de fadiga do automobilista.

Paulo Gameiro, gestor do projeto, explicou, em declarações à agência Lusa, que serão desenvolvidos “sensores não intrusivos incorporados no assento e no cinto de segurança do condutor, para medição da frequência cardíaca e respiratória”, os quais vão monitorizar o comportamento do condutor e atuar preventivamente na deteção da fadiga.