Universidade de Aveiro cria carro que anda sozinho

Fonte: Dinheiro Vivo

O Atlascar, um veículo desenvolvido pela Universidade de Aveiro e hoje apresentado, consegue seguir e prever o movimento dos peões à volta, para evitar o atropelamento.

Essa é a principal novidade científica do protótipo que “anda sozinho”, explicou à Lusa Vítor Santos, professor na Universidade, cujo departamento de Engenharia Mecânica da Universidade de Aveiro teve hoje em demonstração este veículo.

Embora a capacidade da condução autónoma tenha sido a principal curiosidade da maioria dos que assistiram à demonstração no estacionamento da Universidade, o projecto Atlas da Universidade de Aveiro “não aposta no desenvolvimento da tecnologia automóvel em si, mas dos acessórios a bordo para assistir ao condutor”.

“Este veículo é um laboratório que recolhe dados numa sessão que depois trabalhamos. Estamos a falar de mais de um gigabyte por minuto e é muita informação que tem de ser tratada”, especificou.

Anúncios

Fábrica lança bolo-rei dietético para o Natal de 2012

Fonte: RTP

A fábrica Douromel, sedeada em Tabuaço, lança no mercado, em 2012, um bolo-rei feito com fruta confitada sem açúcar, um produto “inovador” desenvolvido pela universidade de Vila Real ao qual foi incorporado fibras dietéticas.

Pilar Santos, responsável pela empresa, disse hoje que, no Natal de 2012, já vai estar disponível este bolo-rei mais saudável para quem não dispensa os doces ou não pode mesmo ingerir açúcar.

A Douromel nasceu em 1991, na vila de Tabuaço, localizada no coração da região do Douro, produzindo anualmente mais de mil toneladas de frutas confitadas, o que representa cerca de 80 por cento do volume de vendas.

A pedido da fábrica, a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) desenvolveu o “Nutridouro”, que contou com um investimento de 547 mil euros, aprovados no âmbito de uma candidatura à Agência de Inovação.

Liderado por Fernando Milheiro Nunes, docente do Departamento de Química, o projeto levou à produção de fruta confitada sem sacarose, utilizando outros adoçantes menos calóricos.

Mas, segundo explicou o investigador, ao mesmo tempo serão introduzidos outros ingredientes como fibra dietética para “também aumentar os benefícios para a saúde que podem advir do consumo desses produtos confitados”.

Numa altura em que os consumidores querem cada vez menos açúcar, Fernando Nunes referiu que, em termos energéticos, os novos frutos terão ter uma redução de cerca de “um quinto” nas calorias.

Pilar Santos acredita no “sucesso” do projeto que diz que vem dar resposta “às necessidades de consumos e de hábitos alimentares saudáveis”.

Lava-loiça ecológico separa gordura para produzir biodiesel

Fonte: Diário de Notícias

Investigadores da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) estão a desenvolver uma caixa ecológica que permitirá separar a gordura acumulada no lava-loiça e armazená-la para a produção de biodiesel.

O “GreenBox” é um dos projectos que vai estar em destaque no Dia da Inovação, que a UTAD promove na quarta-feira, em Vila Real, para divulgar a investigação que se desenvolve na academia transmontana.

Coordenado pelo professor e investigador João Barroso, o projecto visa a criação de uma caixa que fará a separação da gordura que fica na água da lavagem da loiça, resíduos que são “altamente poluentes” e “criam problemas gravíssimos nas estações de tratamento de águas residuais”.

“A Greenbox é colocada debaixo da pia e o objectivo é que a água saia para o sistema de saneamento e a gordura fique acumulada”, explicou o responsável.

A ideia é que esta gordura seja também recolhida “em tempo útil” para que possa ser aproveitada para a produção de biodiesel.

Nesta fase, a caixa está a ser criada para restaurantes e unidades hoteleiras, mas, segundo o responsável, mais tarde deverá ser também aproveitada ao nível dos condomínios dos edifícios.

Portugal Inovador: Investigadores portugueses testam ‘pijama curativo’

Fonte: Expresso

A Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUO) vai iniciar um projeto pioneiro, intitulado “2nd Dermis” (segunda pele), na cura da dermatite atópica, uma doença de pele inflamatória associada a alergias e de predisposição familiar.

Após uma primeira fase de testes em laboratório, o ensaio clínico vai começar a ser feito em pacientes com mais de 12 anos, a partir de 18 de novembro, dia em que a FMUP promove uma reunião científica sobre a dermatite atópica.

Nesta fase da investigação irão ser sujeitos ao novo tratamento 200 doentes, que durante a noite utilizarão um pijama especial – camisola interior e leggings – impregnado de um componente antimicrobiano e cicatrizante, que mantém as suas caraterísticas terapêuticas mesmo após 30 lavagens.

Segundo Cristina Lopes, responsável pelo estudo, a inclusão no projeto não implica a toma de qualquer medicamento nem exigirá deslocações ao hospital, sendo os doentes avaliados apenas no início e no fim do estudo.

Portugal Inovador: Cerveja 100% natural

Fonte: Diário Digital

Dois investigadores da Universidade do Minho (UM) apostaram na criação de cerveja «100 por cento natural e artesanal», um produto que em breve passarão a produzir e a servir no restaurante que vão abrir «muito perto de Braga».

«É um conceito inovador em Portugal, que acreditamos que tem viabilidade. No próprio restaurante teremos uma mini-fábrica de cerveja, 100 por cento natural, feita exclusivamente com cereais de produção biológica. E é essa mesma cerveja que será servida ao cliente», disse, à Lusa, um dos investigadores.

Francisco Pereira explicou que a cerveja «não é filtrada, ou seja, contém a própria levedura, sendo assim uma fonte de sais minerais, vitaminas e compostos para regulação do nosso organismo»