Estudantes criam bebida que combate desperdício e beneficia a saúde

Design sem nome (1)

As universidades são o palco de muitas ideias. E se algumas não passam disso mesmo, outras arriscam-se a ganhar prémios e conquistar a atenção mediática. Foi o que aconteceu com o projeto liderado por Daniela Costa e Rita Martins, alunas da Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra, que decidiram criar duas bebidas. E o que é que as Toal têm que as torna merecedoras de um prémio? São capazes de juntar o útil ao agradável, ou seja, combatem o desperdício alimentar e, ao mesmo tempo,  têm benefícios para a saúde.

Derivadas do soro excedente que resulta do fabrico do queijo, são constituídas por polpa de morangos, mas não de uns morangos quaisquer. Estes morangos são ‘feios’, ou seja, fazem parte daquele grupo de fruta que, pela sua forma ou calibre, não tem lugar nos supermercados. Para além de tudo isto, são ainda ricas em antioxidantes e probióticos e têm baixo teor de gordura e lactose. E uma delas tem um elevado valor energético, mas não tem proteína, enquanto a outra tem um valor proteico alto.

Motivos de sobra para que este tivesse sido um dos projetos vencedores do prémio Ecotrophelia Portugal 2017, uma iniciativa da PortugalFoods e da Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares, que tem como grande objetivo premiar a inovação do meio académico no setor agroalimentar.

Fonte: SapoTek e fipa

Anúncios

CRIAM e Findster representam Portugal em Las Vegas

ces

As startups CRIAM e Findster, duas startups de “hardware” finalistas dos programas de aceleração da Startup de Braga, vão estar a representar Portugal na maior feira tecnológica do mundo, a CES Las Vegas.

A CRIAM, na área da saúde, desenvolveu um dispositivo médico inovador que possibilita a deteção do tipo de sangue e de doenças, de uma forma automática, rápida e portátil. Foi, após a participação no 3º programa de aceleração da Startup de Braga em 2016, a segunda startup portuguesa a ser selecionada pela HAX, a maior aceleradora mundial de hardware.

A Findster, foi a primeira startup portuguesa a se juntar à HAX, participou no primeiro programa de Aceleração da Startup Braga, tendo lançado o seu dispositivo de localização de crianças na plataforma de crowdfunding Indiegogo.

A participação da Criam e da Findster no HAX abriu as portas das duas startups do Norte à CES (International Consumer Electronics Show), que arrancou dia 3 e decorre até dia 8 de janeiro de 2017, em Las Vegas.

Saiba mais aqui.

A APP do Serviço Nacional de Saúde

A aplicação MySNS chegou para fornecer aos utentes várias informações sobre o SNS. Segundo o Sapo Tek “notícias relacionadas com a área de saúde, informação médica e uma lista e mapa de instituições de saúde, como Hospitais, Farmácias e Cuidados de Saúde Primários, fazem parte da informação que pode ser encontrada na aplicação oficial do Serviço Nacional de Saúde. Há ainda outros serviços, como a área do Cidadão, mas neste caso a autenticação é feita através de uma ligação ao portal web.”

transferir

Fonte: Sapo Tek

Fisioterapia em casa com SWORD Health

SWORD Arya, um sistema digital que permite acelerar a recuperação em processos de fisioterapia de doentes de AVC ou com problemas músculo-esqueléticos sem terem de sair de casa, o projeto apresentado pela startup SWORD Health.

Esta estrutura ‘user-friendly’ permite acelerar a recuperação destes doentes pelo próprio paciente ou cuidador sem sair de casa, é uma “abordagem revolucionária” que possibilita “avanços mais rápidos” e “uma redução de custos até cinco vezes”, através do acompanhamento online permanente e presencial, segundo diz a empresa em comunicado.

Com sensores de movimento, são digitalizados e registados todos os movimentos do doente, na sua frequência e amplitude, sendo estes transferidos para um tablet, o que permite assistir por um lado o doente na correção imediata do exercício e, por outro, dar indicações à equipa clínica sobre a evolução do tratamento e ajustar procedimentos.

Saiba mais aqui: Notícias ao Minuto

sword-04

Startups portuguesas finalistas em Silicon Valley

Magikbee e Performetric, estão entre os finalistas da World Cup Tech Challenge, competição mundial que decorre a 1 de junho em Silicon Valley. As startups portuguesas estão presentes no evento com projetos que foram considerados pela organização sem fins lucrativos, Silicon Valley Forum, pertencentes à próxima geração de empresas tecnológicas emergentes.

As duas startups, integradas na Startup Braga, além dos seus projetos estarem na competição vão contar com investidores de capital de risco da cidade, administradores de várias empresas e órgãos de comunicação social.

Magikbee, desenvolveu uma tecnologia interativa que combina brinquedos tradicionais com as novas tecnologias, brinquedos de madeira que interagem com o iPad sem precisar de contacto físico.

Performetric, desenvolveu um sistema de monitorização de fadiga mental, o objetivo principal é melhorar a qualidade de vida e o desempenho individual dos seus utilizadores. Em contexto empresarial, pretende melhorar a eficácia dos colaboradores.

WOrldCup.jpg

Fonte: Observador

Inovação no SNS

A partir de agora já pode saber o tempo de espera na urgência sem sequer sair de casa. Para isso basta aceder ao novo portal do SNS e assim tem acesso aos tempos de espera, conseguindo escolher o hospital ao qual se deve deslocar para esperar o menor tempo possível por uma consulta.

Esta nova ferramenta do Serviço Nacional de Saúde surge no seguimento de um despacho, que foi apresentado em meados de janeiro, o qual obriga a que se tornem públicos os tempos de espera de todos os serviços de urgência do país. Com esta nova mecânica é dada a hipótese ao utente de escolher o hospital com o menor tempo de espera para ser atendido o mais rapidamente possível.

Para além dos utentes, também os médicos de família conseguirão facilmente perceber para que hospital devem encaminhar os doentes, quer se trate de uma consulta de urgência, quer seja uma consulta de especialidade.

Os hospitais, que ainda não tenham esta funcionalidade ativa, terão que apresentar os tempos de espera nas urgências até dia 1 março, data limite fixada pela lei. Podem-se contar mais de 60 instituições abrangidas pela nova medida.

Este novo portal foi apresentando esta segunda-feira pelo ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, no Pavilhão do Conhecimento, em Lisboa, e está disponível no seguinte endereço: sns.gov.pt.

doctor-1149150_1920.jpg

Fonte: Notícia ao Minuto

Calças de ganga tecnológicas? Uma evolução do têxtil?

Não vamos começar a vestir tecnologia, mas sim adaptar a tecnologia ao que vestimos. Confuso? Miguel Carvalho, professor de Engenharia Têxtil na Universidade do Minho, pensou em criar funcionalidade, e foi assim que surgiu a ideia de adaptar a tecnologia ao vestuário e posteriormente a um produto, concebido no MIT (Massachusetts Institute of Technology).

Desde 25 de novembro que se pode contribuir para esta reinvenção das calças de ganga no Kickstarter, a marca FYT Jeans tenciona conquistar , no primeiro mês, um mínimo de 30 mil euros para financiar o arranque da produção destinada à Europa e aos EUA.

O projeto FYT Jeans surge a partir do estudo do comportamento das pessoas. Nos dias de hoje seria de estranhar que fossem as pessoas a adaptar-se ao que vestem e não o inverso.

Em 2011, quando Miguel Carvalho se tornou professor convidado no MIT, nos EUA, conheceu Elazer Edelman, médico cardiologista, diretor de Centro de Engenharia Biomédica do MIT e diretor do Centro de Ciências da Saúde e Tecnologia da Harvard Medical School. Juntos, passaram os anos seguintes nos laboratórios a estudar engenharia têxtil e anatomia. Usaram scanners 3D, imagens termográficas e sensores termodinâmicos para medir tensão, pressão e temperatura com diferentes posições do corpo. A partir desta informação, desenvolveram umas calças de ganga que reduzem até 90% a compressão e minimizam a concentração localizada de temperatura e pressão. Mais informações no vídeo aqui.

Após vários protótipos, na busca da otimização de materiais e do design, foram já registadas patentes para o design final dos FYT Jeans, com modelos para homem e mulher, na Europa e nos EUA.

Apesar da startup estar sediada em Cambridge, a produção será feita em Portugal.

Fonte: pplware SAPO